segunda-feira, 9 de julho de 2018

Mulheres são mais atraídas por um “tipo” de homens sexistas, aponta estudo


Pesquisa indica que atitudes de “sexismo benevolente” dão a sensação de que o homem é protetor; entenda o significado do termo e a visão feminista

As mulheres de hoje fazem questão de mostrar que são, sim, fortes, independentes e cheias de atitude e, como por muito tempo foram vistas como o sexo frágil, todo esse empoderamento pode assustar alguns homens na hora da conquista. Apesar disso, um estudo aponta que elas são mais atraídas por homens sexistas com traços “benevolentes”, ou seja, que agem como se a parceira precisasse de proteção, mas sem comportamentos opressivos ou agressivos.


Foto: shutterstock

O estudo sobre homens sexistas foi publicado noperiódico “Personality and Social Psychology Bulletin” e conduzido pelos americanos Pelin Gul, da Iowa State University, e Tom Kupfer, da Universidade de Kent (ambas nos Estados Unidos), foi baseado em definições usadas pela psicologia, que divide o sexismo em duas categorias: “sexismo hostil” (SH) e “sexismo benevolente” (SB).

O “ sexismo hostil ” é aquele de natureza negativa, que se abrange clássicas atitudes preconceituosas, como as de acreditar que mulheres têm de ter cargos inferiores e ganhar menos que o homem. Já o “benevolente”, é o sexismo que estereotipa as mulheres, retomando aquela ideia de que a parceira tem de ser a dona de casa sensível, gentil e carinhosa.

Tipo “benevolente” de homens sexistas é a preferência delas

No estudo, os pesquisadores concluíram que as mulheres são realmente atraídas por homens com atitudes de “ sexismo benevolente ”, e a justificativa para isso é a de que esses comportamentos sinalizam que o parceiro está “disposto a investir” na relação.

A pesquisa contou com a participação de mais de 200 estudantes do sexo feminino, que tiveram de ler o perfil de vários homens que apresentavam, ou não, atitudes sexistas. Depois disso, elas tiveram de classificar esses homens em várias categorias, incluindo a disposição para proteger a parceira e o quão atraente elas achassem isso.

Feminista vê a situação de outra maneira


Por outro lado, do ponto de vista feminista, esse estudo levanta questões preocupantes. A jornalista Harriet Minter, que é defensora direitos das mulheres, afirma, em entrevista ao portal britânico “The Independent”, que não há nada de “benevolente” no sexismo. “Como todos os outros ‘-ísmos’, isso se baseia no poder e reforça o status de que existe um parceiro dominante. Então, ‘sexismo benevolente’ é, para mim, uma contradição em termos.”

Harriet acredita que o emponderamento feminino fez os homens ficarem confusos e, por isso, eles passaram a ter dificuldades em saber como agir com uma mulher. Isso porque, segundo ela, a sociedade induz que o homem seja o “provedor” e a mulher seja aquela que tem a função de cuidar, seja da casa ou dos filhos.

“O sexismo existe quando uma parte assume que seu gênero lhes dá um status maior ou mais especial do que o da outra pessoa, se você está agindo de certo modo com uma mulher porque acha que é seu dever como homem e não simplesmente seu dever humano, então há um nível de sexismo ai”, afirma a jornalista que, contrariando o estudo , não acredita que as mulheres são atraídas por homens sexistas , mas, sim, por “bondade, consideração e boas maneiras”.

IG