sábado, 14 de julho de 2018

Como um pequeno sensor no seu celular pode revelar sua senha e captar conversas

Aplicativos podem usar os dados fornecidos pelo dispositivo sem pedir permissão ou sem esclarecer o motivo pelo qual fazem isso.

Você provavelmente está ciente de que seu celular sabe muito sobre você. Mas há um pequeno sensor entre os conectores e chips que compõem o seu aparelho capaz de medir algo que você talvez nunca tenha parado para pensar: a velocidade angular.

Em outras palavras, como você segura o celular: se é na vertical, horizontal ou inclinado.

Este dado é, então, transformado em um sinal elétrico, processado imediatamente pelo dispositivo.

E não só mede a velocidade ou a lentidão com que você move o celular entre as mãos, mas também pode revelar seu código PIN ou o conteúdo de suas conversas. Nós contamos como.

Um sensor 'silencioso'

"A maioria dos smartphones, tablets e outros dispositivos portáteis estão equipados com uma infinidade de sensores - como giroscópios e acelerômetros - que nos permitem interagir com o mundo real", disse à BBC Maryam Mehrnezhad, da Faculdade de Ciências da Computação da Universidade de Newcastle, no Reino Unido.

Muitos especialistas os chamam de "sensores silenciosos". No total, eles identificaram mais de 25 deles.



Especialistas identificam mais de 25 'sensores silenciosos' em celulares (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

O sensor que detecta a velocidade angular é o giroscópio, que se tornou - junto do acelerômetro, que faz girar a tela - é uma das peças-chave dos smartphones produzidos hoje, e também é fundamental em outros dispositivos, como relógios inteligentes.

Quase todos os celulares fabricados nos últimos dois ou três anos têm giroscópio.

Por exemplo, todos os iPhones fabricados a partir do modelo 5 possuem o dispositivo, assim como grande parte dos aparelhos com Android feitos nos últimos três anos: Google Nexus (4 a 6), Samsung Galaxy (a partir do S3 e Note 4), Sony Xperia (do T e Z) são alguns deles.

Aprenda a fazer desinfetante e vinagre em casa com apenas cinco ingredientes


A designer catarinense Cristal Muniz, 27, leva a vida de forma a produzir a menor quantidade possível de lixo.

Ela lança na quinta (19), em São Paulo, o livro “Uma Vida Sem Lixo” (Ed. Alaúde), onde ensina o caminho para gerar menos resíduos.

Um dos seus truques é fazer em casa itens que costumamos comprar em embalagens plásticas no mercado, como cosméticos e produtos de limpeza.

Abaixo, veja a receita dela para fazer um desinfetante caseiro –que também funciona como amaciante para lavar a roupa– e aprenda a preparar vinagre de maçã em casa, um dos dois ingredientes do produto de limpeza.

Saiba mais sobre a história de Cristal e as mudanças que ela fez no seu dia a dia na reportagem do Sobretudo.

Desinfetante aromatizado


Ingredientes e materiais:

-500 ml de vinagre de álcool ou de frutas

-1 xícara de casca de frutas cítricas ou ervas de chá (lavanda, alecrim, capim-limão ou outro, para aromatizar)

-Pote de vidro com tampa

Como fazer:


-Coloque todos os ingredientes no pote e mantenha fechado com tampa. O vinagre precisa cobrir as cascas ou ervas para que elas não mofem.

-Deixe descansar por cerca de dez dias, mexendo uma vez por dia

-Coe a mistura e guarde só o líquido

-As cascas e ervas podem ir para a composteira, mas as minhocas vão ficar mais felizes se você passar uma água para tirar o ácido do vinagre antes

Modo de usar:


-Dilua um pouco na água e use como desinfetante normal para passar pano na casa.

-Coloque na máquina de lavar como amaciante. Se o vinagre ficar colorido, faça um teste antes para verificar se não mancha sua roupa usando uma toalha velha ou um pano de chão: coloque um pouco de vinagre e deixe secar por um dia antes de lavar de novo. Se manchar, não recomendo usar no enxágue da roupa, principalmente das brancas.

-Use puro para desinfetar superfícies como pia da cozinha, armários, pia do banheiro, vaso sanitário etc. Basta aplicar com um spray.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Bug bizarro do WhatsApp beta pode acabar com seu pacote de dados e bateria; entenda



(Foto: Reprodução/Elson de Souza)

A última versão do WhatsApp beta para Android trouxe um bug que pode representar risco ao pacote de dados do usuário e à bateria do telefone. O aplicativo fica criando backups ininterruptamente e envia uma grande quantidade de dados para o Google Drive. A empresa ainda não se pronunciou sobre quando uma correção estará disponível.

Presente apenas na versão de testes do WhatsApp, até o momento, a falha afeta a função que faz cópias de segurança das conversas e arquivos de mídia do usuário. Em testes feitos pelo Olhar Digital, o aplicativo faz mais de um backup diário, independentemente da frequência escolhida pelo usuário, e raramente consegue finalizá-lo. Além disso, o tamanho das cópias também chamam a atenção: tendo crescido de 5 GB para mais de 7 GB em pouco tempo.

Fifa mantém dois brasileiros na equipe de arbitragem na fase final da Copa



Sandro Meira Ricci na partida entre Croácia e Nigéria na Copa do Mundo na Rússia. Foto: Matthew Childs/Reuters

Dois brasileiros estão entre os 48 profissionais da equipe de arbitragem que podem atuar nas quatro últimas partidas da Copa do Mundo na Rússia, que terminará neste domingo (15). Continuam à disposição do Mundial, o árbitro Sandro Meira Ricci e Wilton Pereira Sampaio –este último na função de árbitro de vídeo (VAR).

Os demais ‘sobreviventes’ são o iraniano Alireza Faghani, o senegalês Malang Diedhiou, o americano Mark Geiger, o mexicano César Arturo Ramos, o uruguaio Andrés Cunha, o argentino Néstor Pitana, o neozelandês Matthew Conger, o turco Cüneyt Çakir, o holandês Björn Kuipers, o sérvio Milorad Mazic e o italiano Gianluca Rocchi.

No VAR, continuam na disputa o argentino Mauro Vigliano, os alemães Bastian Dankert e Felix Zwayer, o português Artur Dias Soares, o polonês Pawel Gil, e os italianos Massimiliano Irrati, Daniele Orsato e Paolo Valeri. O comitê ainda tem 26 auxiliares disponíveis.

Na primeira partida da semifinal, entre França e Bélgica, nesta terça (10), o uruguaio Andrés Cunha foi confirmado pela Fifa para apitar o jogo na arena São Peterburgo, às 15h (horário de Brasília).

Folha de São Paulo

Mulheres são mais atraídas por um “tipo” de homens sexistas, aponta estudo


Pesquisa indica que atitudes de “sexismo benevolente” dão a sensação de que o homem é protetor; entenda o significado do termo e a visão feminista

As mulheres de hoje fazem questão de mostrar que são, sim, fortes, independentes e cheias de atitude e, como por muito tempo foram vistas como o sexo frágil, todo esse empoderamento pode assustar alguns homens na hora da conquista. Apesar disso, um estudo aponta que elas são mais atraídas por homens sexistas com traços “benevolentes”, ou seja, que agem como se a parceira precisasse de proteção, mas sem comportamentos opressivos ou agressivos.


Foto: shutterstock

O estudo sobre homens sexistas foi publicado noperiódico “Personality and Social Psychology Bulletin” e conduzido pelos americanos Pelin Gul, da Iowa State University, e Tom Kupfer, da Universidade de Kent (ambas nos Estados Unidos), foi baseado em definições usadas pela psicologia, que divide o sexismo em duas categorias: “sexismo hostil” (SH) e “sexismo benevolente” (SB).

O “ sexismo hostil ” é aquele de natureza negativa, que se abrange clássicas atitudes preconceituosas, como as de acreditar que mulheres têm de ter cargos inferiores e ganhar menos que o homem. Já o “benevolente”, é o sexismo que estereotipa as mulheres, retomando aquela ideia de que a parceira tem de ser a dona de casa sensível, gentil e carinhosa.

Tipo “benevolente” de homens sexistas é a preferência delas

No estudo, os pesquisadores concluíram que as mulheres são realmente atraídas por homens com atitudes de “ sexismo benevolente ”, e a justificativa para isso é a de que esses comportamentos sinalizam que o parceiro está “disposto a investir” na relação.

A pesquisa contou com a participação de mais de 200 estudantes do sexo feminino, que tiveram de ler o perfil de vários homens que apresentavam, ou não, atitudes sexistas. Depois disso, elas tiveram de classificar esses homens em várias categorias, incluindo a disposição para proteger a parceira e o quão atraente elas achassem isso.

Feminista vê a situação de outra maneira


Por outro lado, do ponto de vista feminista, esse estudo levanta questões preocupantes. A jornalista Harriet Minter, que é defensora direitos das mulheres, afirma, em entrevista ao portal britânico “The Independent”, que não há nada de “benevolente” no sexismo. “Como todos os outros ‘-ísmos’, isso se baseia no poder e reforça o status de que existe um parceiro dominante. Então, ‘sexismo benevolente’ é, para mim, uma contradição em termos.”

Harriet acredita que o emponderamento feminino fez os homens ficarem confusos e, por isso, eles passaram a ter dificuldades em saber como agir com uma mulher. Isso porque, segundo ela, a sociedade induz que o homem seja o “provedor” e a mulher seja aquela que tem a função de cuidar, seja da casa ou dos filhos.

“O sexismo existe quando uma parte assume que seu gênero lhes dá um status maior ou mais especial do que o da outra pessoa, se você está agindo de certo modo com uma mulher porque acha que é seu dever como homem e não simplesmente seu dever humano, então há um nível de sexismo ai”, afirma a jornalista que, contrariando o estudo , não acredita que as mulheres são atraídas por homens sexistas , mas, sim, por “bondade, consideração e boas maneiras”.

IG

Defesa de Lula pedirá a justiça que ele grave vídeos para o programa eleitoral do PT



Foto: Patrícia Monteiro – Bloomberg

A defesa do ex-presidente Lula da Silva pedirá ao Tribunal Superior Eleitoral autorização para que o petista faça gravações para o programa eleitoral do PT, de dentro do quartinho onde está preso na sede da Polícia Federal, condenado por corrupção. Aliás, o registro da candidatura de Lula à Presidência será feito dia 15 de agosto.

Petistas experientes e um empresário do Rio ouvidos pela Coluna lamentam que Lula tenha perdido a oportunidade ímpar na vida: poderia ter se candidatado ao Senado, em 2014. Na avaliação deles, hoje Lula seria líder do PT – ou até presidente da Casa – seus processos estariam no STF (ou não haveria ação), Dilma continuaria presidente do País e o povo conclamaria Lula a voltar ao Planalto, com grande chance de vitória.

Do Coluna Esplanada

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Renault não vai mais vender Duster, Sandero e Logan


A nova geração do Duster será o último produto que Dacia e a Renault irão compartilhar. A informação vem do jornal Le Figaro, que ouviu o gerente global de marketing da Renault, Sylvain Coursimault, soltar essa bomba. Com isso, modelos como o Duster, Sandero e o Logan deixarão de receber o emblema da Renault na grade.

Isso afetaria drasticamente a linha da marca no Brasil. Que é quase que totalmente composta pelos carros da Dacia. Um indício que que isso poderia acontecer em breve é que o Kwid nunca foi vendido como Dacia em lugar nenhum do mundo. Ele é um projeto de origem da Renault indiana.

É possível que a marca francesa continue usando a plataforma do Duster para criar novos SUVs. Como já fez com o Captur no Brasil. Porém, a retirada dos Dacia abre um buraco que terá que ser preenchido com novos Renault de verdade que ainda nem saíram do papel em um futuro próximo. Um grande desafio para a fabricante.

terça-feira, 26 de junho de 2018

WORKSHPOP ESPECIAL


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Venda direta de etanol pode reduzir preço para o consumidor nos postos




Venda direta de etanol, dos produtores aos postos de combustíveis, pode diminuir preço para o consumidor (Fernando Frazão/Agência Brasil)

A venda direta de etanol, dos produtores aos postos de combustíveis, pode ser permitida em breve e levantou mais uma discussão sobre o setor de combustíveis. O Senado aprovou ontem (19) o Projeto de Decreto Legislativo 61/2018 que trata da medida. Agora, o texto será encaminhado para votação na Câmara dos Deputados.

Atualmente, essa venda direta é proibida pela Resolução nº 43, de 2009, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Apenas distribuidores autorizados e fornecedores cadastrados na agência podem comercializar etanol combustível. O projeto modifica esse artigo e permite a venda direta.

Segundo a proposta, o objetivo é aumentar a concorrência no mercado de combustíveis e, assim, baixar o preço para o consumidor.

A medida é defendida pela Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), que representa produtores e fornecedores independentes de cana-de-açucar em 13 estados. Para a federação, a venda direta melhora a formação de preços ao consumidor, já que exclui as margens de lucro das distribuidoras.

Possibilidade de negócio

Além disso, para a Feplana, não seria uma obrigatoriedade, mas uma possibilidade de negócio a mais para os produtores avaliarem.

“Temos que modernizar a comercialização do etanol, não pode ser como se comercializa a gasolina. São poucas destilarias de gasolina, então comercializar por meio de distribuidoras facilita a logística e distribuição. No caso do etanol, temos 400 unidades industriais pelo país e ele pode ser vendido regionalmente”, disse o diretor da Feplana, José Ricardo Severo.

Para ele, a venda direta de etanol pode, inclusive, pressionar para uma redução nos preços da gasolina, por exemplo, ao dificultar a formação de cartéis.

Em meio a paralisação de caminhoneiros autônomos, no último mês, que afetou o abastecimento em várias partes do país, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou um estudo com nove propostas para aumentar a concorrência no setor de combustíveis como forma de reduzir os preços ao consumidor. Uma das sugestões é permitir que produtores de álcool vendam diretamente aos postos.

Para o Cade, este tipo de norma regulatória da ANP, a princípio, produz ineficiências econômicas, à medida em que impede o livre comércio e dificulta a possibilidade de concorrência que poderia existir entre produtor de etanol e distribuidor de combustível.

Contrários à venda direta

Em nota, a Plural, associação de distribuidores de combustíveis, afirmou que o projeto aprovado ontem no Senado não leva em conta as complexidades que envolvem o setor.

“Na realidade, o preço final ficará mais caro, a garantia de qualidade mais difícil e a arrecadação por parte do estado mais vulnerável. Não à toa, além da Plural, as outras duas principais entidades que representam o setor de etanol são contra a proposta: a Unica [União da Indústria de Cana-de-Açúcar], dos produtores, e a Fecombustíveis [Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes], dos postos revendedores”, diz a nota.

Para a entidade, as usinas produtoras não possuem logística necessária, que envolve sistemas de dutos, ferrovias e bitrens, para chegar aos mais de 40 mil postos espalhados pelo Brasil.

“A complexa malha em funcionamento atualmente só foi possível ao longo de anos de investimento e desenvolvimento sob uma sólida regulação que define claramente os papéis e responsabilidades de cada agente da cadeia de suprimentos”, acrescenta.

A Unica também é contra a comercialização direta de etanol combustível pelos produtores aos postos porque vai dificultar a implementação da Política Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio.

Essa política reconhece o papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira, tanto para a segurança energética quanto para mitigação de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa.

“As distribuidoras são parte estratégica dessa política, pois terão que cumprir as metas de descarbonização por meio da compra e venda de Cbios (certificado de redução de emissões de carbono). Isso faz com que os renováveis aumentem sua participação na matriz de combustíveis no longo prazo, permitindo a melhoria contínua da qualidade do ar nas grandes metrópoles”, disse a Unica, em nota.

Estrutura tributária

Para a entidade, para autorizar a venda direta será necessário mudar também a estrutura tributária do setor, já que os tributos federais incidentes sobre o etanol hidratado são recolhidos pelo produtor (R$ 0,13 por litro) e pelo distribuidor (R$ 0,11 por litro).

A ausência do distribuidor exigiria que a cobrança seja concentrada no produtor ou nos próprios revendedores.

Além disso, segundo a Unica, não é proibida ao produtor a venda ao varejo, já que a atual legislação permite aos fornecedores abrirem suas próprias distribuidoras.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e a Fecombustíveis para repercutir a aprovação do projeto no Senado, mas não obteve retorno.

Agência Brasil

Caged: 33 mil novos empregos formais foram criados em abril


O presidente Michel Temer antecipou há pouco os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de maio. Por meio de sua conta pessoal no Twitter, ele disse que no mês passado foram criados mais de 33 mil empregos formais, o que gerou um resultado acumulado de 380 mil postos de trabalho em 2018.

Os dados são divulgados mensalmente pelo ministério do Trabalho. Nesta quarta-feira, a assessoria da pasta havia agendado que às 17h publicaria as informações no site do órgão. No mês passado, os números também foram anunciados por Temer durante cerimônia ocorrida em São Paulo.

A criação de novas vagas em abril naquele mês chegou a quase 116 mil, dado que foi comemorado pelo presidente dentre outros números econômicos que demonstram otimismo com a saída do país da recessão econômica.

Agência Brasil