quinta-feira, 28 de junho de 2018

Renault não vai mais vender Duster, Sandero e Logan


A nova geração do Duster será o último produto que Dacia e a Renault irão compartilhar. A informação vem do jornal Le Figaro, que ouviu o gerente global de marketing da Renault, Sylvain Coursimault, soltar essa bomba. Com isso, modelos como o Duster, Sandero e o Logan deixarão de receber o emblema da Renault na grade.

Isso afetaria drasticamente a linha da marca no Brasil. Que é quase que totalmente composta pelos carros da Dacia. Um indício que que isso poderia acontecer em breve é que o Kwid nunca foi vendido como Dacia em lugar nenhum do mundo. Ele é um projeto de origem da Renault indiana.

É possível que a marca francesa continue usando a plataforma do Duster para criar novos SUVs. Como já fez com o Captur no Brasil. Porém, a retirada dos Dacia abre um buraco que terá que ser preenchido com novos Renault de verdade que ainda nem saíram do papel em um futuro próximo. Um grande desafio para a fabricante.

terça-feira, 26 de junho de 2018

WORKSHPOP ESPECIAL


quarta-feira, 20 de junho de 2018

Venda direta de etanol pode reduzir preço para o consumidor nos postos




Venda direta de etanol, dos produtores aos postos de combustíveis, pode diminuir preço para o consumidor (Fernando Frazão/Agência Brasil)

A venda direta de etanol, dos produtores aos postos de combustíveis, pode ser permitida em breve e levantou mais uma discussão sobre o setor de combustíveis. O Senado aprovou ontem (19) o Projeto de Decreto Legislativo 61/2018 que trata da medida. Agora, o texto será encaminhado para votação na Câmara dos Deputados.

Atualmente, essa venda direta é proibida pela Resolução nº 43, de 2009, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Apenas distribuidores autorizados e fornecedores cadastrados na agência podem comercializar etanol combustível. O projeto modifica esse artigo e permite a venda direta.

Segundo a proposta, o objetivo é aumentar a concorrência no mercado de combustíveis e, assim, baixar o preço para o consumidor.

A medida é defendida pela Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), que representa produtores e fornecedores independentes de cana-de-açucar em 13 estados. Para a federação, a venda direta melhora a formação de preços ao consumidor, já que exclui as margens de lucro das distribuidoras.

Possibilidade de negócio

Além disso, para a Feplana, não seria uma obrigatoriedade, mas uma possibilidade de negócio a mais para os produtores avaliarem.

“Temos que modernizar a comercialização do etanol, não pode ser como se comercializa a gasolina. São poucas destilarias de gasolina, então comercializar por meio de distribuidoras facilita a logística e distribuição. No caso do etanol, temos 400 unidades industriais pelo país e ele pode ser vendido regionalmente”, disse o diretor da Feplana, José Ricardo Severo.

Para ele, a venda direta de etanol pode, inclusive, pressionar para uma redução nos preços da gasolina, por exemplo, ao dificultar a formação de cartéis.

Em meio a paralisação de caminhoneiros autônomos, no último mês, que afetou o abastecimento em várias partes do país, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou um estudo com nove propostas para aumentar a concorrência no setor de combustíveis como forma de reduzir os preços ao consumidor. Uma das sugestões é permitir que produtores de álcool vendam diretamente aos postos.

Para o Cade, este tipo de norma regulatória da ANP, a princípio, produz ineficiências econômicas, à medida em que impede o livre comércio e dificulta a possibilidade de concorrência que poderia existir entre produtor de etanol e distribuidor de combustível.

Contrários à venda direta

Em nota, a Plural, associação de distribuidores de combustíveis, afirmou que o projeto aprovado ontem no Senado não leva em conta as complexidades que envolvem o setor.

“Na realidade, o preço final ficará mais caro, a garantia de qualidade mais difícil e a arrecadação por parte do estado mais vulnerável. Não à toa, além da Plural, as outras duas principais entidades que representam o setor de etanol são contra a proposta: a Unica [União da Indústria de Cana-de-Açúcar], dos produtores, e a Fecombustíveis [Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes], dos postos revendedores”, diz a nota.

Para a entidade, as usinas produtoras não possuem logística necessária, que envolve sistemas de dutos, ferrovias e bitrens, para chegar aos mais de 40 mil postos espalhados pelo Brasil.

“A complexa malha em funcionamento atualmente só foi possível ao longo de anos de investimento e desenvolvimento sob uma sólida regulação que define claramente os papéis e responsabilidades de cada agente da cadeia de suprimentos”, acrescenta.

A Unica também é contra a comercialização direta de etanol combustível pelos produtores aos postos porque vai dificultar a implementação da Política Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio.

Essa política reconhece o papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira, tanto para a segurança energética quanto para mitigação de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa.

“As distribuidoras são parte estratégica dessa política, pois terão que cumprir as metas de descarbonização por meio da compra e venda de Cbios (certificado de redução de emissões de carbono). Isso faz com que os renováveis aumentem sua participação na matriz de combustíveis no longo prazo, permitindo a melhoria contínua da qualidade do ar nas grandes metrópoles”, disse a Unica, em nota.

Estrutura tributária

Para a entidade, para autorizar a venda direta será necessário mudar também a estrutura tributária do setor, já que os tributos federais incidentes sobre o etanol hidratado são recolhidos pelo produtor (R$ 0,13 por litro) e pelo distribuidor (R$ 0,11 por litro).

A ausência do distribuidor exigiria que a cobrança seja concentrada no produtor ou nos próprios revendedores.

Além disso, segundo a Unica, não é proibida ao produtor a venda ao varejo, já que a atual legislação permite aos fornecedores abrirem suas próprias distribuidoras.

A reportagem da Agência Brasil entrou em contato com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis e a Fecombustíveis para repercutir a aprovação do projeto no Senado, mas não obteve retorno.

Agência Brasil

Caged: 33 mil novos empregos formais foram criados em abril


O presidente Michel Temer antecipou há pouco os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do mês de maio. Por meio de sua conta pessoal no Twitter, ele disse que no mês passado foram criados mais de 33 mil empregos formais, o que gerou um resultado acumulado de 380 mil postos de trabalho em 2018.

Os dados são divulgados mensalmente pelo ministério do Trabalho. Nesta quarta-feira, a assessoria da pasta havia agendado que às 17h publicaria as informações no site do órgão. No mês passado, os números também foram anunciados por Temer durante cerimônia ocorrida em São Paulo.

A criação de novas vagas em abril naquele mês chegou a quase 116 mil, dado que foi comemorado pelo presidente dentre outros números econômicos que demonstram otimismo com a saída do país da recessão econômica.

Agência Brasil


Saiba se os bancos vão abrir nos jogos do Brasil na Copa do Mundo

A Febraban estabeleceu turnos diferentes de funcionamento nos jogos da seleção; fique ligado nos horários das partidas para não atrasar suas contas




Bancos vão funcionar em horários especiais durante jogos do Brasil na CopaAgência Brasil

Nos jogos do Brasil na Copa, os bancos vão abrir normalmente? Esta é uma dúvida que muitos brasileiros têm, até porque as contas continuam mesmo com o Mundial da Rússia.

A Federação Brasileira dos Bancos e o Banco Central resolveram o problema. Todo mundo vai poder pagar contas e ver os meninos de Tite em campo. Na Rússia, a maioria dos jogos acontecerá às 9h, às 11h ou às 15h.

A entidade decidiu que quando as partidas forem às 9h, as agências vão abrir das 13h às 17h. Se o jogo começar às 11h, os bancos ficarão abertos das 8h30 às 10h30 e das 14h00 às 16h00. Se a bola rolar às 15h, os clientes serão atendidos das 9h às 13h.

As agências terão de colocar informativos com os horários de funcionamento com no mínimo 48 horas de antecedência. Assim, ninguém vai ser pego de surpresa.

Veja os horários do Brasil na Copa:


Primeira fase
17 de junho (domingo) - BRASIL x SUÍÇA - 15h
22 de junho (sexta-feira) - BRASIL x COSTA RICA - 9h
27 de junho (quarta-feira) - BRASIL x SÉRVIA - 15h

  • Se o Brasil passar como 1º colocado do Grupo E
2 de julho (segunda-feira) - OITAVAS DE FINAL - 11h
6 de julho (sexta-feira) - QUARTAS DE FINAL - 15h
10 de julho (terça-feira) - SEMIFINAL - 15h
15 de julho (domingo) - FINAL - 12h

  • Se o Brasil passar como 2º colocado do Grupo E
3 de julho (terça-feira) - OITAVAS DE FINAL - 11h
7 de julho (sábado) - QUARTAS DE FINAL - 11h
11 de julho (quarta-feira) - SEMIFINAL - 15h
15 de julho (domingo) - FINAL - 12h

Se perder na semifinal, jogará a disputa do 3º lugar no dia 14 de julho, sábado, às 11h.

R7

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Decolar.com é multada em R$ 7,5 milhões




A Decolar.com, agência de turismo que tem na internet seu principal canal de vendas, foi multada em R$ 7,5 milhões pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) por ter praticado diferenciação de preço de acomodações e negativa de oferta de vagas, quando existentes.

De acordo com o DPDC, tal prática é abusiva e discriminatória, além de representar violação ao Código de Defesa do Consumidor.

O despacho informando a multa foi publicado no Diário Oficial da União de hoje (18). De acordo com o DPDC, a negativa de oferta de vagas existentes era feita após a empresa identificar a localização geográfica do consumidor.

Caso a empresa descumpra a determinação estará sujeita a ter seu site retirado do ar. Ainda segundo o DPDC, os valores cobrados por produtos como quartos de hotéis variava em função da localidade onde a compra estaria sendo feita.

A Decolar.com tem prazo de 30 dias para fazer o depósito de R$ 7,5 milhões, por meio de Guia de Recolhimento à União (GRU) em favor do Fundo de Defesa de Direitos Difusos.

Outro lado

Em nota, a Decolar.com disse que não pratica “geopricing”, que é a cobrança de valores diferentes para o mesmo produto, e afirmou que opera com “transparência, honestidade, integridade, respeito ao seus clientes, e, principalmente,​ em conformidade com as leis, normas e regulamentos aplicáveis em todos os países em que atua”.

Sobre a acusação de manipular as reservas e disponibilidade de vagas em hotéis, a companhia reiterou que não pratica qualquer ato discriminatório e prejudicial aos seus clientes. “A empresa reforça ainda que atua como intermediadora entre os fornecedores e consumidores no que diz respeito à hospedagem, sendo esses fornecedores os responsáveis pela inclusão dos preços e disponibilidade de acomodações”, diz a empresa, em nota.



Do Blog do Bg

sábado, 9 de junho de 2018

Como os golpistas ganham dinheiro com as fraudes no WhatsApp?


Criminosos se aproveitam de acordos de publicidade para faturar
com golpes no WhatsApp
(Foto: Altieres Rohr/Especial para o G1)
As fraudes que circulam no WhatsApp tentam aproveitar todo o tipo de tema para atrair vítimas: nem mesmo o desabastecimento de gasolina durante a greve dos caminhoneiros passou batido pelos criminosos, que fizeram circular uma mensagem sobre uma suposta rede de postos que receberia o combustível. Mas os criminosos também já fizeram circular fraudes sobre oportunidades de emprego falsas, promoções de produtos e comida, recarga de celular e até benefícios sociais.

As mensagens são sempre falsas, mas o contexto na data em que o golpe circula -- como no caso da greve dos caminhoneiros -- pode fazer com que ela ganhe alguma credibilidade.

Mas quem é realmente a "vítima" desses golpes? Para o internauta que acessa o link na mensagem, normalmente não acontece nada de muito ruim. Ele será obrigado a encaminhar a mensagem para seus contatos, repassando e aumentando o alcance da fraude, mas em geral a fraude acaba por aí. Mesmo quando é sugerida a instalação de um aplicativo, trata-se normalmente de um aplicativo legítimo e inofensivo no Google Play.

Em alguns casos, a vítima pode acabar assinando sem querer um serviço de SMS Premium, o que vai aumentar a conta do telefone móvel. Esse prejuízo, também, pode ser normalmente reembolsado através de uma reclamação com a operadora por cobrança é indevida.

Os golpistas, porém, conseguem lucrar com todas essas atividades. A primeira delas é o acesso e a permanência do usuário do WhatsApp na página da fraude. A página às vezes possui anúncios publicitários pelos quais o golpista recebe pelas visualizações ou por cliques (que podem ser induzidos ou ocorrer por acidente durante a etapa de encaminhar a mensagem a terceiros).

É importante ressaltar que as empresas anunciadas não pagam diretamente aos criminosos. A publicidade na web é normalmente intermediada por uma série de agências que têm contratos com os anunciantes e outras agências que possuem contratos com os criadores de conteúdo. Golpistas acabam conseguindo se aproveitar disso e firmar parcerias com agências em vários locais do mundo, muitas vezes com nomes falsos, para poder repetir a fraude.

Os demais truques na fraude do WhatsApp também são remunerados por anunciantes. Se o usuário instalar um aplicativo, o criminoso recebe uma comissão de afiliado pela "referência" da instalação. Se o usuário assinar um serviço de SMS, idem -- as empresas que prestam esses serviços pagam pela referência. O que elas não sabem é que os supostos clientes estão chegando por meio de uma fraude.

Quando o usuário do WhatsApp enfim se der conta de que instalou um aplicativo ou assinou um serviço que não queria, o golpista pode já ter recebido a sua parte pelo negócio. O anunciante e a empresa que pagam pelas referências é que ficam com o prejuízo, já que eles não receberam um consumidor real, ou seja, alguém que contratou o serviço ou instalou o aplicativo ciente do que estava fazendo.

A vantagem desses golpes, para os criminosos, é que os mais prejudicados (os anunciantes) não são os mesmos responsáveis por alimentar a fraude (que são os usuários do WhatsApp). Dessa forma, quem recebe o golpe tem pouco incentivo para não cair nele -- já que a fraude é praticamente inofensiva.

Isso não significa que devemos nos descuidar no WhatsApp. Sempre pode haver algum golpe com uma finalidade mais agressiva e que pode instalar um aplicativo espião, por exemplo.

Além disso, o WhatsApp tem se tornado um canal forte para a disseminação de informações falsas e os golpes são apenas uma variação dessa tendência. Ter uma boa "higiene" no WhatsApp e evitar repassar essa sujeira -- sejam os golpes ou as informações falsas -- é útil para toda a sociedade, ainda mais em ano eleitoral. Desconfie de mensagens que não tragam fontes confiáveis de dados e, claro, não acredite em nenhuma página que diga que você precisa encaminhar algo para os amigos.

G1

Anac autoriza primeiro drone brasileiro a voar acima de 120 metros


Na prática, novo limite permitirá uso da aeronave na pulverização agrícola e na análise de mapeamentos geológicos. Brasil tem hoje 43,8 mil drones registrados na Anac.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) entregará nesta sexta-feira (8) a primeira autorização para um drone brasileiro voar acima de 120 metros.


Na prática, com a ampliação do limite, o drone poderá ser usado, por exemplo, em mapeamentos geológicos.

Hoje, o Brasil tem 43,8 mil drones registrados na Anac. Desse total, 28,1 mil são de uso recreativo.

O drone

A aeronave que receberá a autorização é a RPSA Arator 5B, fabricada pela XMobots. O drone também tem autorização para se mover em um raio de até 2 quilômetros, sem que seja necessário um observador acompanhando.

Giovani Amianti, CEO da XMobots, afirmou que o processo para autorização do projeto levou um ano e envolveu alterações no projeto como a incorporação de iluminação capaz de ser vista a uma distância de 2 km.

"Esta Autorização de Projeto abre portas para o setor, servindo de incentivo para que outros fabricantes também busquem essa autorização para seus equipamentos. Essa profissionalização trará mais segurança para as empresas fabricantes, usuários e demais beneficiários da tecnologia" ressalta Amianti.

Regulamento


Em maio do ano passado, a Anac aprovou o regulamento para uso de drones.

Entre as novidades, o documento implementou a exigência de habilitação para os pilotos de equipamentos com mais de 25 kg.

O regulamento também proibiu o uso de drones sobre pessoas, a não ser que tenha sido dada autorização para isso.


G1 / ANAC

Audiência pública questiona a qualidade da água de Natal

Foto: Reprodução Blog do BG
Por iniciativa do vereador Klaus Araújo, a Câmara Municipal de Natal realizou, nesta sexta-feira (08), uma audiência pública para discutir a qualidade do serviço prestado pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN) à população da capital potiguar. O debate foi motivado, segundo o propositor da audiência, pelas queixas recebidas dos moradores de diversos bairros.

Um relatório referente ao ano de 2017 apontou irregularidades na água distribuída em todas as regiões da cidade. No Sistema de Abastecimento de Água (SAA) foram realizadas 417 análises, sendo o Cloro Residual Livre o parâmetro mais preocupante, onde 43,41% das amostras analisadas estavam fora dos padrões, o que propicia a proliferação bacteriana na rede, expondo a população a doenças de veiculação hídrica, com destaque para as Doenças Diarreicas Agudas.

O vereador Klaus Araújo, que é representante do Legislativo natalense no Conselho Municipal de Saneamento Básico (COMSAB), tem cobrado a melhorias dos serviços e também da qualidade da água que chega até as torneiras das pessoas. Segundo ele, a situação é preocupante para a saúde das pessoas.

“A ideia é fazer uma reanálise e verificar se foram realizadas adequações por parte da concessionária. Caso sejam constatadas alterações, a Câmara Municipal vai exigir explicações. Porque o contribuinte paga caro pelo serviço e tem direito a consumir água de qualidade. Portanto, não vamos descansar enquanto a questão não for esclarecida e resolvida”, defendeu o parlamentar.

Gilka da Mata, promotora do Meio Ambiente, disse que o encontro foi importante para mostrar à comunidade como anda a situação do esgotamento sanitário e do abastecimento de água. “Tivemos a oportunidade de falar sobre todos os processos judiciais que tramitam hoje no Rio Grande do Norte para garantir que os serviços sejam efetuados a contento. Estamos acompanhando a instalação das estações de tratamento de esgoto promovidas pela Concessionária e lembrando que é preciso tratar, pois sem isso a gente só vai deslocar a poluição de um lugar para outro”, explicou

Fábio Gomes, da Agência Reguladora de Serviços de Saneamento Básico do Município de Natal (ARSBAN), falou sobre a necessidade de substituir redes antigas, pois elas interferem diretamente nas condições de uso da água. “Isso já está sendo realizado, com novas redes instaladas e protegendo as águas subterrâneas da contaminação com resíduos de fossas. Quanto aos esgotos, este deve ser coletado, tratado e encaminhado para um destino apropriado”.

Izaías Costa Filho, que representou a CAERN, disse que a instituição tem trabalhado para aumentar a cobertura e melhorar a qualidade dos serviços. “A Companhia vem fazendo imensos investimentos em estações de tratamento, essenciais para a qualidade da água e preservação do meio ambiente. E estamos à disposição para atuar em parceria com os demais poderes públicos, bem como esclarecer dúvidas referentes a qualquer assunto”, afirmou.

Reprodução Blog do BG

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Preço do petróleo não cai tão cedo, afirma especialista


O petróleo vem caindo nos últimos dias por causa da possibilidade de Rússia e OPEP aumentarem sua produção, mas especialistas advertem que o preço da commodity não voltará tão cedo ao baixo patamar dos últimos anos.

Isso porque os estoques de petróleo armazenados pelos países desenvolvidos caíram para o menor nível em três anos, o que torna o preço bastante sensível a quaisquer eventos geopolíticos, diz Brenda Shaffer, professora da Universidade Georgetown e pesquisadora do Centro de Energia do Atlantic Council.


“A demanda e a oferta de petróleo estão tão próximas que qualquer anúncio ou evento geopolítico acaba superdimensionado”, afirma Shaffer.


Os preços do petróleo dobraram –saltaram de uma média de US$ 40 em 2016 para quase US$ 80 na semana passada, em decorrência de um acordo entre os membros da OPEP, a Rússia e outros nove produtores para restringir a oferta mundial.


Do Blog do BG